Programa Empreender: Núcleo da Mulher Empreendedora visa fortalecer micro e pequenas empresárias

Programa Empreender: Núcleo da Mulher Empreendedora visa fortalecer micro e pequenas empresárias

Em andamento na Acisa desde o final do ano passado, núcleo conta com cerca de 20 empreendedoras

Existe algo em comum entre elas: todas estão à frente do próprio negócio. São mulheres independentes que a cada dia conquistam mais espaço na sociedade e no meio empresarial. E é buscando se fortalecer no mundo dos negócios que cerca de 20 empresárias de diferentes segmentos da economia participam dos encontros do Núcleo da Mulher Empreendedora do Programa Empreender. Com as atividades em andamento na Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agronegócio (Acisa) de Passo Fundo desde o final do ano passado, o programa é realizado em parceria com a Federação das Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB) e Sebrae. 

Para a empresária do ramo de consultoria empresarial, Luciana Costa Soares, que se interessou em participar do Empreender para trocar experiências e fazer novos contatos, o programa tem sido inovador. “O grupo tem me surpreendido bastante. São mulheres que estão à frente de muitos negócios, sendo que alguns desses não eram vistos antes pelo lado feminino”, ressalta. “Mesmo sendo recente, o núcleo já está dando frutos. Já estamos, inclusive, fazendo negócios dentro do nosso grupo”, comemora a empreendedora.

Foi a busca por resultados que motivou a empresária Joelma Santos, proprietária de uma loja de colchões personalizados, a fazer parte do programa. “Desde o momento em que eu empreendi meu negócio, penso que não quero somente conhecimento, somente uma porta aberta, quero, sim, resultados práticos e quando resolvi participar do Empreender, vim em busca desses resultados ”, afirma, ao salientar. “Tem coisas que a gente faz e que está dando certo e tem outras que a gente não enxerga e compartilhando no grande grupo, conseguimos ter essa percepção, esse feedback”, pontua.

No Brasil, cada vez mais mulheres têm se lançado como empresárias. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2016, realizada pelo Sebrae, a taxa de empreendedorismo feminino entre os novos empreendedores – aqueles que possuem um negócio com até 3,5 anos – é de 51,2%. Os dados são de 2014, quando o país tinha 7,9 milhões de empreendedores. Conforme a pesquisa, o número de empresárias subiu 34% nos últimos 14 anos. No Rio Grande do Sul, o número de empreendedores chega a 1,9 milhão, sendo 44% mulheres.

Para Joelma, ter um grupo só com mulheres facilita o andamento dos trabalhos. “Uma mulher entende da outra, pois todas temos muitas funções ao mesmo tempo e, assim, conseguimos perceber até no olhar o que a outra está sentindo e por isso a importância da gente estar num grupo bem focado”, destaca. “Claro que precisamos, sim, contar a ajuda masculina, mas estar junto, compartilhando, tendo uma troca de experiências com alguém do mesmo gênero, que entende teu sentimento e sabe quais são suas necessidades e aflições, facilita muito”, ressalta a empresária.

Segundo a consultora empresarial Roberta Monteiro, que coordena os trabalhos em Passo Fundo, algumas ações do núcleo já foram praticadas e outras estão previstas para os próximos meses. “Até agora já montamos um plano de ação com quatro ações iniciais. A primeira aconteceu em dezembro, que foi a troca de ideias e experiências sobre o tema pós-venda. Esse mês teve a troca de negócios, onde cada uma apresentou sua empresa e uma avaliou a apresentação da outra. Na próxima reunião será abordado o tema relacionamento com o cliente, na mesma dinâmica, pontuando o que deu certo, o que deu errado e o que cada uma acha interessante trazer para o grupo sobre o assunto”, explica Roberta. Segundo ela, também está sendo organizado um evento maior para o final de março ou início de abril.

Sobre o Empreender

O Programa Empreender é, basicamente, uma consultoria em grupo a longo prazo. “São empresas que se unem para buscar soluções diferenciadas com o objetivo de se fortificar e se tornar mais competitivas no mercado. Pegamos as principais demandas em comum e fazemos um plano de ação para cada demanda”, explica a consultora. “As empresas conseguem se fortalecer de uma maneira muito grande e isso resulta em um diferencial que reflete até no modo como o empreendedor se comporta no dia a dia dele”, pontua. Na Acisa, além do núcleo da Mulher Empreendedora, também está em andamento o núcleo Multissetorial.

Texto e fotos: Caroline Lima/Assessoria de Imprensa Acisa 

Publicada em: 25/01/2018, por Assessoria de Imprensa Acisa

Galeria de Fotos